Recessões Gengivais?
Agosto 9, 2019
O que são restaurações indirectas?
Novembro 12, 2019

Atualmente sabe-se que existem mais de 120 tipos diferentes do Vírus do Papiloma Humano (HPV), sendo que 40 deles afetam, em especial as mucosas, com é o caso da zona da boca e os órgãos genitais.

Este vírus infecta tanto mulheres, como homens e não escolhe idade. O HPV, na grande maioria dos casos, não apresenta qualquer tipo de sintoma, até mesmo quando a doença já está instalada, pode ser assintomática.

Maioritariamente, a infeção provocada pelo vírus acaba por desaparecer de forma espontânea, ao fim de 1 ou 2 anos, após o contágio. Nos casos em que o mesmo não é eliminado, pode vir a progredir para doença, pelo que o melhor é sempre consultar, regularmente o seu médico e o seu médico dentista, de forma a motorizar a sua saúde.

O que é o Vírus do Papiloma Humano?

O HPV ou Vírus do Papiloma Humano, é uma doença sexualmente transmissível (DST) e é entre as DST a mais comum a nível mundial.

A infeção pelo Vírus do Papiloma Humano a nível genital afeta tanto homens como mulheres, sexalmente ativos. No entanto é importante referir que a infeção genital mais comum nestes casos encontra-se no grupo dos α-Papilomavírus.

Principais sintomas da infeção:

  • Período de latência elevado – geralmente, neste tipo de infeções existe um elevado período de latência, variando este em semanas, meses ou até mesmo anos.
  • Vírus epiteliotrópico – este afeta as células epiteliais escamosas queratinizadas – pele – e não queratinizadas – mucosa oral, faringe, laringe e zonas genitais.
  • Principais genótipos de risco do vírus: 
    • Alto risco – 16, 18, 31, 35,39, 45, 51, 52 e 58. Nestes casos a infeção torna-se crónica e persistente.
    • Risco baixo a moderado – 6 e 11. Estes genótipos são que afetam a cavidade oral, dando assim origem ao desenvolvimento de papilomas benignos (Doorbar, 2005).

Principais sintomas na cavidade na zona da boca:

  • Aparecimento de pequenas lesões na boca, salientes. Estas podem formar aglomerados. Por vezes estas são facilmente confundíveis com aftas;
  • Este tipo de lesões pode apresentar diferentes colorações: esbranquiçadas, vermelha (clara ou do tom da pele);
  • Lesões são mais comuns na zona dos lábios

Apesar deste vírus apresentar vários sintomas, este pode também camuflar-se tornando-se impossível detetá-lo sem a ajuda médica. É nesse sentido que as consultas regulares com o seu médico dentista ou dietista são extremamente importantes.

Transmissão do vírus:

As infecções por HPV são, de uma forma geral, transmitidas por via sexual,  podendo este ser através do contacto com a pele ou com as mucosas. Existe ainda uma forma menos comum, mas passível de transmitir este vírus: através do parto.

Um indivíduo que seja portador do vírus na boca, pode transmiti-lo através de um simples beijo, ou através do ato sexual, quando em contacto com as mucosas sempre que apresente úlceras nesta zona. Este risco é menor após o tratamento clínico, a realização de exames que comprovem que já não existe nenhuma lesão na região.

Apesar desta infeção ser mais frequente na população mais jovem, em especial naqueles que iniciam a sua vida sexual, esta pode ser transmitida em qualquer faixa etária. Estima-se que, na população sexualmente ativa, cerca de 75 a 80% dos indivíduos adquirem esta infecção em determinada altura da sua vida. No entanto, a grande maioria destes casos não demonstra qualquer tipo de evolução da mesma.

Prevenção da transmissão do vírus:

A prevenção do vírus do Papiloma Humano pode fazer-se através de várias medidas e comportamentos preventivos:

  • Utilização do preservativo no ato sexual;
  • fazer a vacina do HPV – mediante a recomendação médica;
  • abordar o assunto com o/a parceiro/a sexual;
  • Realização regular de exames. No caso da mulher, esta deve realizar exames ginecológicos e uma colpocitologia – teste Papanicolau – e/ou teste de HPV-DNA.

No que diz respeito à infeção na zona da boca, o primeiro passo para que possa prevenir é, além de todos os aspetos mencionados anteriormente, realizar consultas de rotina com frequência, de forma detectar precocemente algum tipo de lesão. Quanto mais cedo este tipo de intervenção for efetuada, mas rápido é o tratamento, mais eficaz e evita o cancro.

Tratamento para HPV na região da boca:

O tratamento associado a esta zona específica depende do tipo de lesão que cada paciente possui. O tratamento pode ser realizado através de intervenções mais simples, até intervenções mais invasivas. Estas variam entre o uso de medicamentos, de laser, ou através de cirurgia. 

Sempre que o tratamento termina, é importante realizar vários exames, de forma a perceber, com o seu médico dentista, se este surtiu efeito ou se necessita de mais algum tipo de intervenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *